Resenha: A Filha do Louco - Megan Shepherd

Sinopse:
Juliet Moreau construiu sal vida em Londres trabalhando como arrumadeira – e tentando se esquecer do escandelo que arruinou sua reputação e a de sua mãe, afinal ninguém conseguiria provar que seu pai, Dr. Moreau, fora realmente o autor daquelas sinistras experiências envolvendo seres humanos e animais.
De qualquer forma, seu pai e sua mãe estavam mortos agora, portanto, os boatos e as intrigas da sociedade londrina não poderiam mais afeta-la... Mas, então, ela descobre que o Dr. Moreau continua vivo, exilado em uma remota ilha tropical e, provavelmente, fazendo suas trágicas experiências.

Acompanhada Montgomery, o belo jovem assistente do cirurgião, e Edward, um enigmático náufrago, Juliet viaja até a ilha para descobrir até onde são verdadeiras as acusações que apontam para sua família.

Titulo: A Filha do Louco
Autora: Megan Shepherd
Ano: 2014
Páginas: 416
Editora: Novo Conceito
ISBN: 978-85-8163-154-7
Classificação:







No passado, Juliet era uma dama como qualquer outra, morava em uma enorme casa em Belgrave Square, tinha um guarda-roupa cheio de peles, sedas e trajes rendados que usava apenas uma vez. 

Porém, após um escândalo envolvendo seu pai Dr. Moreau, ela passou de rica para uma jovem pobre, todos os seus bens foram vendidos. Seu pai havia sumido e logo após dado como morto isso afeto-a mais do que perder suas jóias, roupas e sua vida de luxo. O pior de tudo mesmo, foi depois da morte de seu pai. A sociedade não havia esquecido o escândalo e nem das atrocidades por qual ele foi acusado e onde ela quer que fosse o seu sobrenome estaria manchado.

Após a morte de sua mãe, Juliet ficou sozinha no mundo e se não fosse por um amigo do seu pai, talvez tivesse se tornado uma prostituta. Ela começou a trabalhar como faxineira na mesma universidade onde seu pai um dia trabalhou.

Após uma festinha que terminou em algo macabro, Juliet encontra um documento nas mãos de um estudante de medicina, ela reconhece aqueles desenhos e quando ver a assinatura, seu coração se encheu de esperança: Seu pai poderia estar vivo. O estudante disse que havia comprado de um senhor que vivia em uma hospedaria do outro lado da cidade. 

Cheia de esperança, Juliet vai para a tal hospedaria, porém, ao chegar dar de cara com o seu antigo criado Montgomery, que tinha sumido no mesmo dia em que seu pai havia desaparecido. Mas, ele estava diferente não era mais o garotinho que fazia tudo por ela, ele agora era um homem feito e terrivelmente lindo. Lá ela descobre a verdade, seu pai estava vivo e vivendo em uma ilha remota, aquilo a feriu muito. Seu pai preferiu fugir com um criado do que com a própria família.

Após uma tentativa de estrupo, por qual ela precisou ferir um  médico da universidade para salvar sua pureza ela foge e obriga seu antigo criado a levá-la, inicialmente ele não quer. Mas, é convencido por Juliet, pois caso ela não fosse iria ser presa. Preocupado com ela Montgomery a leva para a tal ilha, mas antes ele advertiu que lá não era um lugar para uma dama.

Fui atraída até lá por uma curiosidade mórbida, como um abutre que se aproxima de uma carficina. (pag. 83)

A caminho da ilha, já com poucos dias para chegar a tripulação encontra um pequeno barco com um jovem rapaz Edwarde, assim que ele a ver se apaixona perdidamente. Juliet começa a sentir uma pequena chama por ele, mas uma forte atração por seu antigo criado a impede de o pequeno sentimento se desenvolver.

Ao chegar na ilha, Juliet dá de cara com seu pai, porém ele havia mudado. Havia algo nele, que a deixava com calafrios. Por conta do comportamento dele. Juliet descobre que talvez teria sido melhor ter dado ouvidos para Montgomery e jamais ter posto seus pés naquela ilha. Aos poucos Juliet descobre segredos macabros e ainda por cima descobre que ninguém ali era o que dizia ser, nem mesmo ela. Ninguém era tão inocente quanto pensava.



O que posso falar de uma estória perfeita? Que me conquistou desde a capa?

A filha do louco é que aquele tipo de leitura que faz o leitor consumir o livro rapidamente, terminei de ler um livro de 416 páginas em 24 horas e em nenhum momento fiquei com tédio da leitura pelo o contrario eu só queria ler e saber como seria o final de um estória de encher os olhos.

Fiquei totalmente perdida no enredo, fascinada pela a narração de Juliet a filha do Dr. Moreau. A estória é rica em detalhes, em sentimentos. É impressionante a criação da autora.
Os personagens são marcantes que rapidamente envolve o leitor, e o envolvimento continua até o fim, principalmente quando eles mostram seus lados mais sombrios.

Juliet é aquela típica personagem feminina que não se deixa abater por qualquer coisa e há nela um misto de delicadeza e ousadia. Teve vários momentos que eu realmente fiquei impressionada com a sua coragem de enfrenta o perigo de frente.

Eu gostaria de escrever tanta coisa relacionada ao livro, porém, mesmo por ser um romance de 416 páginas qualquer coisa que possa escrever seria considerada uma spoiler! E sinceramente não gostaria de revelar nada, independentemente se for o menor segredo do passado ou mesmo do presente de Juliet ou mesmo da ilha misteriosa. Por que o livro é espetacular, cada capítulo surgi um novo segredo, um novo problema.

Tudo no livro é irreal, fascinante e repulsivo ao mesmo tempo, diferente de tudo o que li até agora. fiquei muito impressionada com o personagem do Dr. Moreau. A autora soube construir um personagem quase real, um homem frio, calculista, gênio porém, ele ultrapassou todas as barreiras éticas da ciência e ainda por cima não se arrepende de nada. Lembrando que Dr. Moreau não é tão diferente de alguns cientista da realidade. O tema que a autora aborda não está tão distante da nossa realidade!


Os persagens  Montgomery e Edward são aquelas peças-chaves que dão equilíbrio e aos mesmo tempo o combustível para a estória ficar ainda mais impressionante e instiga ainda mais o leitor a devorar o livro. Claro que existe aqueles personagens secundários, porém, são fundamentais para equilibrar a parte emotiva. O meu preferido foi Balthazar que teve momentos que fiquei com dó e quase fui as lágrimas.

Esse livro é rodeado de segredos, é incrível como ele enganou a minha mente, quando eu achava que tinha descoberto algo a autora vinha e me mostrava que eu estava errada. 

Fiquei impressionada com o final, meu coração chegou a doer. Mas, perfeito. talvez quem já leu ou quem vai ler não vai concordar comigo.  Só que eu posso dizer é: leia, tenho certeza que você vai gostar muito da estória. Ele vai quebrar a rotina das suas leituras, isso eu tenho certeza, pois, ele quebrou as minhas e fiquei muito feliz em ter-lo comprado por impulso. 

Eu não conhecia a autora, porém por conta desse livro vou pesquisar sobre os outros livros da autora e quem sabe devora-los como devorei esse. As páginas são amareladas, do jeito que gosto. Esqueci de dizer que o livro é narrado pela a personagem Juliet o que torna ainda mais a experiência agradável e instigante, tornando a leitura ainda mais real.

O livro faz parte de uma trilogia, no entanto, não tem dada prevista para o lançamento do segundo livro. É uma pena...


Quotes


Sendo um cirurgião, o sangue era o meio com o qual ele trabalhava, assim como é a tinta para um escritor. (pag. 20)


- Nos fomos feitos um para o outro. Não para servir ao experimento louco do seu pai. Mas porque somos iguais. (pag.397)

Sobre a autora:

MEGAN SHEPHEND
É filha de livreiros e formou-se em Relações Internacionais, Trabalhou na Costa Rica, Senegal, Escócia e Espanha entre outros países. Hoje é escritora de livros para jovens adultos em tempo integral



Um comentário:

  1. Parece ser uma história muito envolvente, não gosto de quem faz experiência com animais! Muito boa a resenha!

    ResponderExcluir